sábado, 18 de julho de 2009

Filmes, filmes, filmes!

De volta a blogosfera! Quanta procrastinação e hesitação! Mais de um mês sem escrever por aqui. E foi um mês muito produtivo, mesmo nos momentos de ócio, quando algumas elucubrações podem ser muito férteis e ser o embrião de movimentos importantes da vida. Nesse meio tempo, vi alguns bons filmes, sobretudo os clássicos "All About Eve" e "Gata em Teto de Zinco Quente", no primeiro Ane Baxter e Bette Davis estão sublimes numa trama sobre ambição e egos inflados no teatro, no segundo Paul Newman e Liz Taylor, jovens e lindos, esbajam talento dando voz ao primoroso texto de Tenessee Willians nessa adaptação de sua peça homônima para o cinema. O Cheiro do Ralo também foi uma grata surpresa com uma atuação impecável de Selton Melo, apontado pelo Bravo deste mês como o "homem do cinema brasileiro atual", ainda não vi o Jean Charles mas os comentários são os mais auspiciosos possíveis. Não poderia deixar de comentar também o divertidíssimo Divã, com a Lilia Cabral hilária em sua composição de Mercedes, roteiro adaptado de peça homônima protagonizado pela mesma Lília e que por sua vez foi livremente inspirado no livro de Martha Medeiros, essa gaúcha que ganha destaque merecido na cena literária brasileira com seu texto moderno, ágil, mas sempre profundo. O cinema é um excercício fundamental no cotidiado, nos instiga, inspira, impulsiona das maneiras mais surpreendentes. E por falar nisso estou lendo um livro sobre o tema que merece um post exclusivo, falarei sobre ele em breve.
Claro que não poderia deixar de comentar também a perda de um grande ídolo da música pop, talvez o inventor do gênero tal como o conhecemos hoje, recebi esses dias um e-mail de um amigo, piegas mas muito tocante na sua sinceridade, fala sobre a libertação do menino que habitava no corpo de um homem massacrado pelos traumas, violências e pelas demandas do mundo capitalista, enfim ele está livre, aquele garotinho negro com sorriso constante, adeus menino Michael.

Um comentário:

Carol Daemon disse...

O mundo já teve mais glamour.